Postado em 01 de Outubro às 11h01

Um RH mais conectado com o mundo

Artigos (50)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional Na economia que surge é preciso ser mais protagonista e vencer o desafio de “sair da caixa”. No cenário da pandemia, a área de recursos humanos vai...

Na economia que surge é preciso ser mais protagonista e vencer o desafio de “sair da caixa”.


No cenário da pandemia, a área de recursos humanos vai lidando com mudanças dentro e fora das empresas. No contexto econômico, ganha relevância, até por uma necessidade das organizações, a gestão de custos. Isso implica um novo olhar e postura do profissional de RH em relação ao que vinha sendo feito presencialmente e que, agora, mostra-se tão efetivo quanto no mundo virtual. Mas não são apenas os treinamentos e reuniões via plataformas digitais que ilustram o novo modelo de interação entre empresas e colaboradores. Outras transformações vêm a reboque e demandam uma atenção redobrada por parte dos líderes e de recursos humanos.
Como destaca Milena Almeida, Gerente Sênior de Recursos Humanos da Oracle Brasil, o atual cenário traz um grande impacto na motivação e engajamento tanto dos profissionais mais seniores quanto os mais jovens. No primeiro caso, a atenção volta-se para um público pouco habituado com o home office e esperançoso de voltar a uma situação pré-covid-19 que, certamente, não mais existira. No outro, com os tais nativos digitais, a questão é manter o relacionamento menos robotizado.
São desafios que colocam para a área de recursos humanos um papel de protagonista, demandando de seus profissionais competências cada vez mais importantes como empatia, relacionamento interpessoal e comunicação assertiva – sem esquecer o cuidado com a tecnologia, uma ferramenta importante e estratégica. “O perfil da pessoa de RH deverá ser conectado ao que acontece ao redor do mundo, e não somente a sua área de atuação”, acrescenta Milena. Ou seja, o RH, de fato, ganha o mundo.


Como será, ou já é, a nova economia depois deste período?
A nova economia diz respeito à gestão de custos. Muitas atividades, tais como reuniões e treinamentos, que eram feitas de forma presencial, estão se mostrando eficientes no mundo virtual. O desafio é manter a motivação e gerenciar os custos ao mesmo tempo. Muitas empresas, por exemplo, estão descontinuando o aluguel de escritórios, pois já não faz sentido ter um espaço presencial e todos funcionários no mesmo ambiente. Isso impacta positivamente a redução de custos ao passo que a integração e a colaboração entre áreas pode diminuir em alguns níveis. Por outro lado, o jeito de trabalhar também já está diferente. Chegamos a um modelo de trabalho híbrido ou com maior parte em home office para empresas que conseguiram se ajustar a essa realidade.


E quais são os impactos desse cenário quando o assunto é a gestão de pessoas de uma empresa?
Pensando neste momento e como será o mundo corporativo, nossos maiores impactos na gestão de pessoas são, por exemplo, junto aos funcionários mais experientes, que vivenciaram o trabalho presencial a maior parte de suas carreiras, manter o engajamento e ajudar na mudança de pensamento sobre o home office. É preciso manter a motivação desses colaboradores, pois o trabalho remoto não era rotineiro em seu cotidiano. Neste momento, eles se veem nessa realidade, esperando a normalização. Assim, cria-se uma expectativa de retorno, quando não se sabe ainda quando esse retorno acontecerá. É necessário trabalhar esse conceito agora, pois a frustração e a desmotivação serão maiores. Outro ponto é manter as relações empáticas e próximas, pois o convívio é crucial para o relacionamento e para a construção de elos e de confiança. As análises de pessoas serão mais desafiantes com a distância. Para os mais jovens que estão acostumados com um modelo mais tecnológico e menos próximo, haverá o impacto de como criar uma relação saudável, menos robotizada, na qual as identificações de suas necessidades e expectativas também podem não ser percebidas. Para a Oracle, temos um misto de pessoas que ajudam a equilibrar e estão habituadas a ambos estilos de trabalho. Nosso maior foco é em ser transparente sobre a gestão e, principalmente, com a integridade das pessoas.


O desafio [de RH] é reaprender, ressignificar e criar maneiras de gestão de pessoas, seja pela tecnologia ou pela mudança de expectativa.


Nessas mudanças todas pelas quais passam as organizações, quais são os riscos com os quais a área de RH terá mais contato ou demandarão mais cuidados dela?
A área de RH precisa estar atenta para não perder o foco nas pessoas devido às mudanças, seja por excesso ou falta de cuidado e/ou implementação de novas tecnologias. É preciso ter um cuidado redobrado em recrutamento e seleção com informações advindas apenas por recursos tecnológicos (por exemplo, informações falsas devido à digitalização de documentos) e ao risco de segurança em receber e manter a informação. Além disso, os processos de compliance e de operações precisam atingir integralmente a organização, não somente em termos de comunicação. Como o distanciamento físico aumenta, é uma oportunidade para manter a comunicação com áreas de suporte. Outro ponto de atenção é a interação das pessoas das próprias linhas de negócios. Estar trabalhando com equipes remotas pode impactar a produtividade de forma diferente em cada linha, seja em vendas, implantações ou suporte.


Parceria, empatia e resiliência são as palavras de ordem dessa nova economia?
Sim, mas acompanhadas de outras também, como adaptabilidade, flexibilidade e gestão, já que a qualificação dos executivos e gerentes sêniores também precisa ser reciclada de forma mais periódica com as novas necessidades do momento.


E como fica a tecnologia nessa nova economia? Como ela pode ajudar o RH a dar as respostas necessárias?
A tecnologia é sempre o meio para realizarmos nossos projetos profissionais e pessoais. Ela é, sem dúvida, um dos recursos mais importantes que manterá as empresas atualizadas e inseridas no mercado – além de contribuir com o modo de trabalho. Ela ajudará com atividades de análise de dados, que dará um norte para o planejamento de acordo com as informações apresentadas (melhores resultados são atingidos com os dados corretos). Também vai contribuir no desenvolvimento a longa distância de um modelo mais flexível e criará um ambiente mais privado e cômodo para os funcionários. Além disso, encontros, reuniões e treinamentos virtuais serão cada vez mais constantes; por isso, é necessário ter as ferramentas adequadas.


Como vê a área de RH daqui para a frente?
Nosso desafio é reaprender, ressignificar e criar maneiras de gestão de pessoas, seja pela tecnologia ou pela mudança de expectativas. O mais importante é que o RH esteja atento com as transformações rápidas. Trabalhar e acompanhar a diversidade será também uma grande mudança, pois como já não existirá mais a limitação de mobilidade, será possível atingir profissionais de quaisquer classes sociais, universidades e históricos. Entendo que essa é uma mudança extremamente positiva, já que pessoas com experiências diversas podem trazer contribuições aos negócios diferentes das do passado. E esse é mais um processo de aprendizagem.
Essa é a grande oportunidade do Rh: aderir aos recursos tecnológicos para análise, acompanhamento e feedback ajudará no avanço na gestão de pessoas


E no que se refere aos profissionais de RH: qual o perfil, quais as competências vão se sobressair?
São muitas as que esse profissional precisa ter, mas as principais são empatia, relacionamento interpessoal e comunicação assertiva. Conectar-se de forma mais empática com a saúde física e mental dos profissionais é fundamental, já que nem todos estão habituados a buscar ajuda de maneira menos física. O perfil da pessoa de RH deverá ser conectado ao que acontece ao redor do mundo, e não somente a sua área de atuação. Com o alcance que a tecnologia nos permite, é preciso conhecer diferentes realidades para ser mais empático. A comunicação com diferentes profissionais da empresa também deve ser levada em conta para replicar melhores práticas e não ser somente um executor. Jamais pode perder de vista que somos uma empresa de resultados, sem deixar de lado a resiliência e a empatia. Por fim, deverá também ser focado em resultados mensuráveis para poder falar de igual para igual com as áreas de negócio. A área de recursos humanos deve ser parte da companhia e não somente suporte.


Voltando à tecnologia: de forma geral, como vê o RH inserido nesse processo de transformação digital? Protagonista ou não?
Essa é a grande oportunidade do RH: aderir aos recursos tecnológicos para análise, acompanhamento e feedback ajudará no avanço na gestão de pessoas. Por isso, a área deve ser protagonista, pois o foco em pessoas é essencial para o sucesso da empresa.
Além disso, é preciso estar comprometido com o resultado da companhia, fazendo com que a área seja protagonista na transformação das pessoas em termos de capacitação, com um olhar diverso, alinhado às práticas entre gestão e funcionário. (Gumae Carvalho)

Fonte: Melhor Gestão de Pessoas por Milena Almeida

Veja também

Como manter a cultura organizacional no “novo normal”?29/10 Os funcionários em home office se sentem isolados e desconectados. O grande desafio dos líderes é integrá-los. No começo, parecia maravilhoso: trabalhar de casa significava não perder tempo no trânsito, economizar nos gastos com roupas, combustível, restaurantes, e, de quebra, mais tempo em família. Aos poucos, porém, os desafios do home office......
5 ERROS MAIS COMUNS AO MONTAR UM CURRÍCULO28/05/18 5 erros mais comuns ao montar um currículo Você pode ter uma infinidade de competências e qualificações e ser o melhor candidato para determinada vaga, mas para que o mercado de trabalho tenha noção disso......
Liderar o time a distância, mas “perto”16/07 O perfil centralizador não caberá mais na figura do líder pós-pandemia. A tecnologia será aliada, mas o caminho inclui reaprender e somar novas competências para liderar equipes com sucesso. Se a tecnologia tem......

Voltar para COMPARTILHANDO