Postado em 08 de Outubro de 2020 às 09h00

Um novo líder nasce, porém tudo começa com o autoconhecimento

Artigos (92)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional O novo líder precisa se olhar no “espelho”. Cabe ao RH estimular esse processo de mudanças dentro da organização, pois o grande desafio é se...

O novo líder precisa se olhar no “espelho”. Cabe ao RH estimular esse processo de mudanças dentro da organização, pois o grande desafio é se conhecer, aceitar suas forças e franquezas.

Nos últimos meses, a mudança no perfil dos líderes em decorrência da pandemia tem sido um tema recorrente em diversas matérias veiculadas pela imprensa, especialmente nas publicações de negócios. Características como a proximidade dos gestores com suas equipes (mesmo que de forma virtual), a interação mais humana a partir do uso da empatia para criar ambientes de segurança psicológica, a e liderança com compaixão – que entende e sente a dor do outro, com coerência, flexibilidade, resiliência e transparência – são algumas das diversas características agora consideradas primordiais para a gestão de equipe.


Segundo Ram Charan, um dos maiores especialistas em liderança do mundo, o líder do século XXI necessita buscar grandes ideias e tentar aprender a todo o tempo. Para ele, a curiosidade é uma característica nata dessas pessoas. Elas têm capacidade de entender as ansiedades das suas equipes de uma forma mais genuína e natural, buscando sempre promover a evolução dos ambientes onde estão inseridos, compreendendo com clareza as prioridades e sabendo administrar seu tempo para atendê-las.


Nesse mundo que muda a todo o instante, ele reforça que para os líderes terem uma execução eficaz, é necessário saber antecipar as mudanças, conhecer sua empresa e setores onde atuam, além das pessoas que integram seus times e saber motivá-las. É importante reforçar que as pessoas são únicas e precisamos atuar de forma diferente com cada uma, definindo prioridades que estejam alinhadas com a necessidade do negócio e cultivar hábitos profissionais saudáveis.

Nesse novo mundo, os líderes realmente cuidam dos seus talentos por meio da dedicação de tempo para conhecer e desenvolver pessoas, reconhecendo o trabalho, oferecendo feedback constante, e não delegando para outras pessoas esse papel.
Fica claro que – sim! – o papel do líder tem que mudar. Porém, antes de tudo, ele precisa buscar o autoconhecimento e os profissionais de RH tem papel chave para ajudar nesse processo. A área de recursos humanos tem como tarefa ser um facilitador dessas mudanças internas. O autoconhecimento é a base de todo o processo de desenvolvimento de uma competência e, naturalmente, da geração de um novo comportamento nas organizações.


De forma geral, para termos bons líderes, que querem crescer e se desenvolver, é necessário um desejo individual. Apesar de vivermos um período pandêmico e sem precedentes, não há momento mais adequado para se autoconhecer do que o atual!
Importante reforçar aqui o grande desafio que é o autoconhecimento. Uma vez fiz uma pesquisa no Linkedin com 125 pessoas, sendo 83% deles líderes. Perguntei como eles avaliavam os líderes ao seu redor e como eles se auto avaliaram: 81% se consideravam bons líderes e apenas 24% consideravam os líderes ao seu redor bons. Ou seja, existe uma grande diferença entre o que eu entendo sobre mim, minha identidade, e como eu me demonstro para os outros, minha imagem.


Resumidamente, nós precisamos nos conhecer e “nos olharmos no espelho” antes de tudo. Espero que esse momento ajude as pessoas a interagirem umas com as outras de uma forma diferente. O que você é como ser humano é o que vai estimular a forma que você vai se relacionar com o outro. Aceitar suas forças e fraquezas, as quais todos temos, é o que vai ajudar você a criar um melhore ambiente de trabalho. Dessa forma, você entenderá quem você é para entender quem o outro é, e assim ter uma melhor relação com a sociedade e com suas equipes
Acredito muito também que ao mostrar quem você é e as suas vulnerabilidades, fica mais fácil para as pessoas entenderem que o líder não está em um pedestal, e assim construir, naturalmente, uma conexão diferente com as equipes.

Fonte: Melhor Gestão de Pessoas, por Salim Khouriem

Veja também

People Analytics, ciência e a Psicologia Organizacional: o tripé do novo recrutamento12/08 O novo recrutamento no ambiente digital tem desafiado as equipes de RH. O caminho que algumas empresas estão trilhando para abraçar o futuro, começa a ser mais nítido. A transformação digital e cultural passou a fazer parte da rotina do RH, que teve a coragem e desapego das antigas formas de recrutamento, e isso requer mudança de mentalidade, ao passo que......
Áreas de vendas e comercial lideram ranking de vagas de trabalho16/04 Apesar da retração do mercado, estudo da InfoJobs revelou áreas com maior volume de vagas disponíveis no mercado de trabalho. Sabemos que 2020, com a pandemia, alguns setores do mercado recuaram. Foram muitas mudanças......
Qual é a relação entre ética e cultura organizacional?19/08 A confiança no funcionário e na sua capacidade de atuação é um dos postos-chave para o sucesso de qualquer empresa. Ética e cultura organizacional são dois conceitos bem conhecidos no cenário da......

Voltar para COMPARTILHANDO

USO DE COOKIES

Nós utilizamos cookies com objetivo de prover a melhor experiência no uso do nosso site. Por favor, leia nossa Política de Privacidade e nossos Termos & Condições para entender quais cookies nós usamos e quais informações coletamos em nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda que podemos armazenar cookies no seu dispositivo. Leia nossa Política de Privacidade.