Postado em 17 de Setembro de 2020 às 11h53

Liderança empática: nunca foi tão urgente

Artigos (60)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional Baseado na empatia, compreensão verdadeira dos sentimentos e experiências dos outros, esse modelo contribui para construção de empresas (e de pessoas)...

Baseado na empatia, compreensão verdadeira dos sentimentos e experiências dos outros, esse modelo contribui para construção de empresas (e de pessoas) melhores.

Quando comecei a escrever este artigo, o tema mais “quente” que estava em pauta era ainda a enorme transformação digital que estamos todos vivendo. Deixei o texto de lado por um tempo e quando voltei, semanas depois, estávamos (e seguimos) envoltos pela pandemia da covid-19. Voltei ao tema central sobre o que eu havia me proposto a escrever – liderança empática – e concluí: nada mais urgente do que falarmos sobre empatia no mundo dos negócios. Afinal, estamos isolados, todos, vivendo o trabalho dentro de nossas casas, administrando nossas famílias, lidando com insegurança, e esse movimento – mais pulsante que a própria transformação digital vinha nos exigindo – faz emergir a urgência de uma mudança cultural, não apenas por conta de novos processos e rotinas, mas também na gestão de pessoas.


O líder do passado (em alguns casos não tão distante assim), autoritário e inflexível, não cabe neste novo momento. O profissional que cada vez se faz mais necessário é o líder empático – modelo em que o líder é aquele que, de fato, se conecta com o outro, aquele que considera, pensa e age não só movido por aspectos profissionais, mas, sim, que compreende que há um outro ser humano, com necessidades, desejos, receios e aspirações na relação. Baseado na empatia, compreensão verdadeira dos sentimentos e experiências dos outros, esse modelo contribui para construção de empresas (e de pessoas) melhores.


E como se tornar esse líder? Garanto que não é uma tarefa simples, pois, para que possamos mudar o nosso jeito de gestão, primeiro precisamos olhar para dentro, nos desconstruir, enfrentar nossas próprias inseguranças. Afinal, é muito necessário ter, primeiro, autoconhecimento e ser líder de si. Ninguém lidera pelo exemplo sem muito trabalho consigo mesmo.


Recentemente, participei de um curso criado dentro Google, o Search Inside Yourself – SIY (Busque dentro de você mesmo, em português), que, baseado em neurociência, utiliza técnicas de atenção plena (mindfullness) para aumentar a autoconsciência, a empatia, a comunicação e a resiliência. O objetivo do curso é ajudar as pessoas a criarem estados emocionais e mentais positivos – cada vez mais necessários no mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo) em que vivemos. Uma melhor consciência emocional e uma mente calma e clara contribuem para o desempenho profissional de todos, começando pelo líder, e impactam toda a empresa. Mas você deve estar se perguntando sobre qual o impacto disso nos negócios, especialmente diante do que estamos vivendo. Posso dizer que é enorme! Ser um líder inspirador e humano, aproximando-se dos colaboradores de forma genuína e sem preconceitos ou julgamentos, ajuda a criar uma relação de confiança entre os elos, contribuindo assim para a motivação dos profissionais e para a resiliência necessária em momentos críticos ou de incerteza.

Uma das coisas mais importantes para se tornar um líder empático é praticar a escuta ativa e a atenção plena. Sei que na correria do dia a dia fazemos várias coisas ao mesmo tempo e com todas as equipes dispersas atualmente nada disso é trivial. No entanto, em qualquer interação – com um colaborador ou cliente – , é fundamental estar presente (com a atenção voltada para o momento) e disposto a escutar verdadeiramente o outro. Mesmo que, por ora, estejamos precisando nos ver e nos conectar por videoconferência.


A escuta ativa é uma excelente ferramenta de empoderamento e inovação, pois ao saberem que são ouvidas, as pessoas se sentem mais confortáveis ao sugerir mudanças, apresentar novas ideias, conceitos e outras formas de realizar determinadas tarefas. Com todos nós tendo de nos reinventar em nosso dia a dia, isso é imprescindível.


Outro tema importante nesse modelo de gestão é a autocompaixão. Os níveis de pressão no ambiente corporativo estão cada vez mais altos e o excesso de informação tem contribuído para isso. Precisamos estar sempre up to date com tudo que circunda o nosso negócio, saber o que os concorrentes estão fazendo, ser um profissional de alta performance e, agora, soma-se a isso, viver com a incerteza da pandemia que nos assola. Assim, é importante praticar a generosidade – não apenas com os outros, mas também com você mesmo. E deixar transparecer sua vulnerabilidade não é um problema. Muito pelo contrário: as pessoas sentem-se mais seguras sabendo que seus líderes também erram e que – neste momento – estamos todos juntos na vulnerabilidade.


E como cada vez mais lidera-se pelo exemplo, ao se desconstruir, você acaba contribuindo para o aprimoramento constante de todos os membros de sua equipe. A prática dessas habilidades leva à alta performance e melhora significativamente a colaboração no ambiente de trabalho, tornando-o propício a lideranças horizontais – inerente à nova economia e resiliente em momentos como o que estamos passando. E, ao estimular o diálogo e a integração entre os colaboradores, o clima fica mais leve, contribuindo para o aumento da qualidade de vida das pessoas e para a redução dos níveis de estresse e de ansiedade. Parece milagre, mas é ciência.


Convido você a olhar para dentro, se desconstruir e tornar-se um líder empático também.

Fonte: Melhor Gestão de Pessoas por Alessandra Albinoem
 

Veja também

LIDERANÇA: INDO ALÉM DO SAUDÁVEL30/04/20 Todos esperam que um gestor tenha maturidade emocional para gerenciar e controlar sua própria ansiedade e a do grupo que ele lidera. Mas como ele pode se preparar para isso sem se exaurir? Segundo pesquisa da empresa de recrutamento Robert Half, os profissionais brasileiros são os mais estressados do mundo. A empresa entrevistou quase 1.800 gestores de RH em 13 países e constatou que, por......
LIDERANÇA ADAPTATIVA04/06/20 “Líderes se preocupam com o futuro. Líderes adaptativos se preocupam em responder com rapidez suficiente para prosperar em um futuro incerto.” Jim Highsmith Se você fosse uma árvore, como se comportaria em uma......
Como alinhar os sonhos do colaborador ao crescimento da empresa?15/08/19 Janete Vaz cofundadora e presidente do Conselho de Administração do Grupo Sabin e eleita por dois anos consecutivos uma das Mulheres mais Poderosas do Brasil pela Forbes, fala da importância de transformar em ação os seus......

Voltar para COMPARTILHANDO

USO DE COOKIES

Nós utilizamos cookies com objetivo de prover a melhor experiência no uso do nosso site. Por favor, leia nossa Política de Privacidade e nossos Termos & Condições para entender quais cookies nós usamos e quais informações coletamos em nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda que podemos armazenar cookies no seu dispositivo. Leia nossa Política de Privacidade.