Postado em 30 de Abril às 16h14

LIDERANÇA: INDO ALÉM DO SAUDÁVEL

Artigos (44)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional Todos esperam que um gestor tenha maturidade emocional para gerenciar e controlar sua própria ansiedade e a do grupo que ele lidera. Mas como ele pode se preparar para isso sem se...

Todos esperam que um gestor tenha maturidade emocional para gerenciar e controlar sua própria ansiedade e a do grupo que ele lidera. Mas como ele pode se preparar para isso sem se exaurir?


Segundo pesquisa da empresa de recrutamento Robert Half, os profissionais brasileiros são os mais estressados do mundo. A empresa entrevistou quase 1.800 gestores de RH em 13 países e constatou que, por aqui, o profissional é o que mais sofre com a pressão e o excesso de trabalho. De acordo com a pesquisa, 52% deles reclamaram da alta carga de trabalho e 44% sentem falta do reconhecimento de seus esforços. “Não é à toa que muitos profissionais acabam desenvolvendo transtornos de ansiedade. Os mais comuns são: transtorno de ansiedade generalizada; transtorno de pânico; transtorno obsessivo-compulsivo; transtorno de estresse pós-traumático; fobia social e fobias específicas”, diz Elaine Di Sarno, psicóloga, pesquisadora e colaboradora do Projesq (Projeto Esquizofrenia) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas – FMUSP. E o líder está nesse barco.


Ela conta que a posição de liderança exige muito do gestor e este, se não estiver preparado para lidar com as demandas e conflitos do grupo, tende a se desequilibrar, o que pode ser um dos impulsionadores da ansiedade. “No entanto, aspectos emocionais, especialmente a capacidade de lidar com a inteligência emocional, impactam bastante. O gestor deve saber captar, absorver e conduzir a ansiedade e a expectativa do grupo, orientando-os e intervindo quando julgar necessário”, afirma.

 

Maturidade emocional


Fato é que todos esperam que um gestor tenha maturidade emocional (ou “quociente emocional”) e consiga gerenciar e controlar sua própria ansiedade, além de lidar com a ansiedade do grupo que ele lidera. De acordo com a especialista, ele é a referência desse grupo e uma de suas funções é administrar essa teia de situações potencialmente ansiógenas que permeiam a dinâmica da equipe. “O líder precisa ser capaz de ter autocontrole, autoconhecimento e experiência para transmitir tranquilidade e direção ao grupo, em todo tipo de situação. Muitas vezes, só um trabalho psicoterápico permite que ele se conheça mais a fundo e se desenvolva emocionalmente, de modo a saber lidar com suas próprias ansiedades e as da equipe”, observa. Se o transtorno de ansiedade não for tratado, gestor e a sua equipe podem caminhar para uma espécie de “naufrágio”, avalia Elaine.  “Nesse sentido, ele ‘afunda’ sua carreira, pois não terá condições de gerenciar adequadamente as situações de tensão que certamente ocorrem no ambiente corporativo. Daí, além da ansiedade, virá o sentimento de frustração, decorrente de uma expectativa não realizada, de uma sensação de incapacidade ou de percepção de que ‘não sou tão competente quanto imaginava’”, diz.Para tornar o cenário ainda mais complexo, Elaine lembra que a imagem de um profissional não permite tantos “deslizes” quanto no âmbito social/pessoal. “O mercado é competitivo, principalmente neste momento em que vivemos, e qualquer erro ou demonstração de instabilidade pode acarretar sua substituição por outro profissional que tenha mais equilíbrio emocional.”

 

Burnout na área


A síndrome de Burnout vem aparecendo cada vez mais em diversas profissões, sendo consequência do excesso ou sobrecarga de trabalho. Como o próprio nome diz, a pessoa se sente literalmente exausta, esgotada física e psicologicamente, seja por causa do número de horas trabalhadas, seja pelo estresse provocado pelas condições de trabalho. “O uso crescente de recursos tecnológicos e da informática mudou o modo de trabalhar; a aceleração da velocidade de comunicação e a integração global trouxeram a demanda por muitas horas de trabalho, em geral sob forte pressão de desempenho”, explica Elaine. Nessas condições, ela reforça, surge novamente a exaustão, caracterizada pelo desânimo, dificuldade de raciocínio, ansiedade, preocupação, irritabilidade, sensação de incapacidade ou inferioridade, diminuição da motivação e da criatividade, aparecimento de transtornos mentais e doenças físicas. Já a privação do sono gera a síndrome de Burnout por vários fatores: quando o profissional não dorme o suficiente para ser produtivo; quando ele faz hora extra até tarde da noite, prejudicando a rotina do sono; quando viaja muito a trabalho para diferentes países, desregulando seu relógio biológico; ou até mesmo quando muda repentinamente de cargo, e precisa alterar o turno da tarde para o turno da noite, por exemplo.

 

Sinal de perigo


Isso resulta em uma extrema exaustão, pois o organismo, como destaca Elaine, que já está habituado com um determinado padrão de sono, sofre um forte impacto, precisando de tempo e resistência para se readequar à nova rotina do profissional.
“E uma consequência frequente é o uso de drogas [álcool, tabaco, além das drogas ilícitas] como forma de alívio. É importante estar alerta a essa situação que agravará ainda mais a condição física e mental do indivíduo. O mesmo pode ser dito da automedicação.” Além das condições adversas e estressantes de trabalho, algumas características da personalidade são consideradas importantes para o aparecimento da síndrome de exaustão. “Pessoas muito competitivas, ambiciosas, com dificuldade para delegar, absorvendo tudo para si, fazendo do trabalho sua única atividade, têm maior chance de desenvolver exaustão. Por outro lado, pessoas inseguras, necessitadas de reconhecimento pelos outros, com dificuldade de colocar limites e que abrem mão de suas próprias necessidades também estão mais vulneráveis ao Burnout”, diz.

 

Momento de reagir


E o que fazer para prevenir essa síndrome? Elaine conta que a primeira recomendação é o descanso físico e mental. O equilíbrio entre o trabalho e as atividades físicas, de lazer, o encontro com os amigos é um primeiro passo. Mudanças de atitudes, de expectativas e de hábitos de vida podem também auxiliar na prevenção. Nos casos em que a síndrome de Burnout já está instalada, recomenda-se buscar auxílio médico especializado para avaliação do quadro e orientação quanto ao tratamento. “Especialmente no caso das pessoas cujas características de personalidade as tornam mais propensas ao Burnout, a psicoterapia é um complemento importante, pois o problema está muitas vezes dentro da pessoa, e não tanto em suas condições de trabalho.”

 

Fonte: Melhor Gestão de Pessoas

Veja também

Você está por dentro da novidades do turismo e da hotelaria?09/05/18 Olá hoteleiro(a)! Diariamente recebemos um "boom" de informações, não é mesmo?! Sejam elas vindas do convívio social, da televisão, do jornal, da revista e claro, da internet! Chegando a todo instante em nossos emails, redes sociais, Whatsapp, etc. A verdade é que a tecnologia revolucionou nossas formas de comunicação e hoje......
Direitos das trabalhadoras diagnosticadas com câncer de mama11/10/18 Saque do FGTS e do PIS/Pasep, auxílio-doença, acompanhante e isenção do Imposto de Renda estão entre as medidas de apoio às mulheres com a doença O câncer de mama causou o afastamento de mais de 21 mil......
Os inimigos do engajamento e da produtividade23/03 Estudo verifica alguns dos fatores humanos que mais impactam o engajamento e a produtividade O estudo “Impacto do bem-estar na vida profissional”, fruto da parceria entre ABRH-Brasil, Mapa de Talentos e Waggl Brasil, traz algumas pistas......

Voltar para COMPARTILHANDO