Postado em 09 de Julho de 2020 às 13h54

O papel do RH no pós-pandemia

Artigos (83)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional Será necessário ressignificar o trabalho e as relações. E é justamente o RH quem poderá propiciar tudo isso. Muito se tem falado sobre...

Será necessário ressignificar o trabalho e as relações. E é justamente o RH quem poderá propiciar tudo isso.


Muito se tem falado sobre o novo normal e como serão os desafios daqui para frente. Já sabemos que as organizações nunca mais serão as mesmas depois da pandemia. Novos planos de trabalhos e procedimentos vêm sendo desenhados pelas organizações para acomodar esse novo cenário. Os líderes, mais do que nunca, serão demandados por essa transformação dos negócios e terão de aprender a gerir seus times num novo formato, híbrido, ou seja, de forma presencial e virtual. Mas, e como fica o RH nessa história? O que muda?


Muita coisa mudará! Vivenciamos algo tão forte nas nossas vidas que será necessário ressignificar o trabalho e as relações. E é justamente o RH quem poderá propiciar tudo isso; contudo, ele precisa assumir o seu protagonismo nessa história. Diversos desafios vêm pela frente e seu papel será fundamental para a retomada dos negócios e implementação desse novo normal. É uma mudança drástica do mundo do trabalho.


O RH PRECISARÁ ESTAR MUITO ATENTO TAMBÉM ÀS NECESSIDADES INDIVIDUAIS DAS PESSOAS, POIS CADA VEZ MAIS SERÃO DEMANDADAS SOLUÇÕES CUSTOMIZADAS.


Além de manter o seu lugar estratégico, o RH precisará estar muito atento também às necessidades individuais das pessoas. Cada vez mais serão demandadas soluções customizadas e menos generalizadas. O apoio emocional será fundamental, além da capacitação das pessoas, pois novas competências passarão a ser requeridas, além das culturas que também serão transformadas. Logo, o desafio do RH será ajudar as pessoas a entenderem seus novos desafios e prepará-las para descobrirem ou identificarem novas demandas. Novas competências serão requeridas principalmente para os líderes, como:


1. Agilidade e adaptabilidade, uma vez que as habilidades atuais não são mais suficientes. Cada vez mais teremos que desenvolver nossa capacidade de aprender e aplicar novas habilidades e adotar novos modos de pensar. Mas, é preciso ser ágil, não dá tempo para esperar. O futuro já chegou!


2. Ter a competência de transformação e adesão digital, sendo capaz de utilizar as tecnologias digitais e estar preparado para avaliar e incorporar as tecnologias digitais no ambiente de trabalho – pois o mundo está cada vez mais tecnológico e será dominado pela automação.


3. Ter mentalidade empreendedora para assumir riscos e tomar iniciativas, atuando como agente de mudança nesse novo normal. Sem falar no dinamismo, determinação e agilidade para lidar com imprevistos, mostrando perseverança para enfrentar adversidades e superar obstáculos.


4. A colaboração e o estabelecimento de novas parcerias também serão fundamentais para cruzar fronteiras funcionais, culturais, de negócios e para gerir a diversidade de forma a maximizar as forças e compensar as fraquezas. Além de ser colaborativo, buscar parceiras e saber aproveitar as diferenças para obter os melhores resultados.


5. Por fim, é preciso ter resiliência e estabilidade emocional. Será mais do que nunca importante manter um comportamento profissional calmo, estável e eficaz em momentos de crise ou pressão. Superar obstáculos e recuperar-se de contratempos rapidamente é um diferencial!

O RH precisa liderar essa transformação da força de trabalho. Para isso, precisará olhar com atenção seus desafios, competências atuais e requeridas nesse novo contexto. Após essa análise, poderá ajudar seus colaboradores a se prepararem – seja por meio de uma qualificação (upskilling) ou requalificação (reskilling).

Lembre-se! Para uma transformação bem-sucedida, comunicação transparente e constante são fundamentais. A comunicação das organizações ficou mais fluida e esse é um dos pontos mais importantes da cultura engajadora. É importante engajar o time de liderança e todos os colaboradores, compartilhando a estratégia da organização, explicando como a empresa está se preparando para esse futuro e mostrando que o comprometimento de todos será fundamental na retomada e construção desse novo mundo do trabalho e das organizações.


Fonte: Mônica Ramos

Veja também

Como melhorar a comunicação entre gestores e colaboradores em 202118/03 Uso de indicadores estratégicos, plataformas multimídias e comunicação focada em saúde são dicas para melhorar a comunicação interna. Ficam cada vez mais evidentes em 2021 as mudanças que 2020 trouxe para o Brasil e o mundo. A digitalização dos processos foi um dos fatores que se destacou positivamente neste ano, seja no âmbito......
O líder do futuro precisa de mais empatia02/07/20 Passada a pandemia, qual o perfil de liderança vai sobressair? No pacote de competências estão entender a si mesmo e os outros, aprender a criar empatia, criar e respeitar diferenças pessoais, entre outras. Com a necessidade de......
LIDERANÇA ADAPTATIVA04/06/20 “Líderes se preocupam com o futuro. Líderes adaptativos se preocupam em responder com rapidez suficiente para prosperar em um futuro incerto.” Jim Highsmith Se você fosse uma árvore, como se comportaria em uma......

Voltar para COMPARTILHANDO

USO DE COOKIES

Nós utilizamos cookies com objetivo de prover a melhor experiência no uso do nosso site. Por favor, leia nossa Política de Privacidade e nossos Termos & Condições para entender quais cookies nós usamos e quais informações coletamos em nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda que podemos armazenar cookies no seu dispositivo. Leia nossa Política de Privacidade.